top of page

ESTUDO SETORIAL  BIOMASSA BIOGÁS BIOMETANO E PELLETS ENERGIA 

BRASIL BIOMASSA

ESTUDO SETORIAL ENERGIA
CRISE CLIMÁTICA E ENERGÉTICA

A crise climática e energética é um dos desafios mais prementes que o mundo enfrenta atualmente. A crise é caracterizada pelo aquecimento global, mudanças climáticas e uma demanda crescente por energia, principalmente nos países em desenvolvimento. A queima de combustíveis fósseis é a principal fonte dessas emissões, que retêm o calor na atmosfera da Terra e causam o aumento das temperaturas globais.  Isso, por sua vez, leva a eventos climáticos extremos como ondas de calor, secas e inundações, que têm efeitos devastadores nos ecossistemas e nas sociedades humanas. Além dos impactos ambientais, o mundo também enfrenta impactos econômicos significativos. 

Leia mais
Estudo Seorial Energia  Crise Climática e Energética.gif
CADASTRO PARA ACESSO AO ESTUDO

Clique aqui e faça download

ESTUDO SETORIAL 2024
ESTUDO SETORIAL ENERGIA
BIOCHAR E BIOREFINARIAS
Leia mais

A produção de combustíveis poluentes (gás natural, coque e diesel) e a utilização de recursos fósseis têm um impacto enorme no ambiente e devem ser minimizado. Biochar é um material rico em carbono produzido durante o processo de pirólise que é uma decomposição termoquímica de biomassa com uma temperatura de cerca de ≤700°C na ausência ou fornecimento limitado de oxigênio.

 

Três importantes estratégias são fortemente recomendadas dentro do conceito do biochar: a reciclagem de resíduos orgânicos, a geração de energia renovável e a agricultura de baixa emissão de carbono. 

Estudo Setorial Energia Biochar em biorrefinarias térmicas e termoquímicas – produção de b
CADASTRO PARA ACESSO AO ESTUDO

Clique aqui e faça download

ESTUDO SETORIAL BIOMASSA
BAMBU FONTE ENERGÉTICA
Leia mais

O bambu é uma cultura predominantemente tropical, renovável, perene, de produção anual, de rápido crescimento, com centenas de espécies espalhadas por todo o planeta e com milhares de aplicações.  Considerado um rápido sequestrador de carbono atmosférico possui, ainda, características físicas e mecânicas que o tornam apto a ser utilizado no desenvolvimento de produtos normalmente produzidos com madeira nativa ou de reflorestamento. Outra funcionalidade é o carvão de bambu gerado pela pirólise da mesma, que também pode ser usado na geração de energia e de biocarbono.

Estudo Setorial Biomassa Bambu nova fonte energética - Sequestro Carbono e Energia.gif
CADASTRO PARA ACESSO AO ESTUDO

Clique aqui e faça download

ESTUDO SETORIAL DESCARBONIZAÇÃO
CADASTRO PARA ACESSO AO ESTUDO
INDÚSTRIAS CERVEJEIRAS
Leia mais

A produção de cerveja é responsável por uma grande quantidade de emissões de dióxido de carbono, derivadas não só do processo de fermentação, mas também da queima de GLP e gás natural e das emissões indiretas associadas às cadeias de abastecimento dos serviços consumidos (por exemplo, eletricidade da rede).  Por outro lado, a crescente integração de tecnologias energéticas renováveis, mas intermitentes, é uma opção para descarbonizar as aplicações industriais e exige melhores estratégias de gestão de carbono, como o seu armazenamento e a substituição do gás natural por biomassa sustentável para geração de energia térmica e vapor.

Estudo Setorial Descarbonização Indústrias Cervejeiras.gif

Clique aqui e faça download

ESTUDO SETORIAL BIOENERGIA
RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS
Leia mais

Avaliação do potencial de biomassa da cultura do açai (caroço), algodão herbàceo (caroço), amendoim (casca e palha), arroz (casca e palha), cacau (casca), café (pergaminho e casca), cana-de-açúcar (palhas e pontas, vinhaça e torta de filtro), castanha de cajú (casca, fibra), castanha pará/brasil (casca e ouriço), cevada (bagaço, palha e malte), coco babaçú (casca e fibra), coco verde (fibra e casca), dendê (casca, fibra e cachos), feijão (palha), (banana/endocarpo, laranja/bagaço e uva/bagaço e casca), gramíneas (capim elefante, brachiária e sorgo), macaúba (casca e outros resíduos), mandioca (casca ), milho (sabugo e palha), soja (casca e palha) e trigo (palha).

Estudo Setorial Biomassa Sustentabilidade do Aproveitamento dos Resíduos Agroindustriais.g
CADASTRO PARA ACESSO AO ESTUDO

Clique aqui e faça download

26 COSAN 4
26 COSAN 5
26 COSAN 1
26 COSAN 3
26 COSAN 6
26 COSAN 2
26 COSAN 7
UNIDADE DE PELLETS DA COLOMBO ENERGY USA COMEÇA EXPORTAR PARA A CORÉIA DO SUL

Fábrica da Navigator nos EUA exporta primeiro navio até final do ano

 

A Colombo Energy Inc., participada da The Navigator Company que gere a unidade industrial produtora de pellets na Carolina do Sul (Estados Unidos) já tem assegurada a venda de 40% da sua produção por um prazo de dez anos.

 

“A Colombo Energy Inc. tem asseguradas por 10 anos vendas correspondentes a 40% da capacidade da fábrica, e que se destinam ao segmento industrial na Europa”, revela o relatório e contas consolidado da Semapa referente ao exercício de 2016. O Jornal Económico apurou que esta garantia resulta de um contrato estabelecido entre a participada da The Navigator Company e o grupo norte-americano Enviva. Este grupo está cotado na bolsa de Nova Iorque e assume-se como o maior produtor mundial de pellets de madeira, gerindo seis fábricas no sudeste dos Estados Unidos, nos estados de Virgínia, Carolina do Norte, Mississipi e Florida, que exportam grande parte da sua produção para centrais de energia no Reino Unido e na Europa Continental.

 

O referido relatório e contas da Semapa acrescenta ainda que “prosseguem os estudos do mercado residencial nos Estados Unidos, com o objetivo de direcionar 10% a 20% da capacidade [da fábrica] para esse mercado doméstico americano”.

 

A Colombo Energy entrou em laboração contínua no último trimestre de 2016 “e iniciou já as suas exportações para a Europa”. Segundo o relatório e contas da The Navigator Company referente ao primeiro trimestre deste ano, divulgado na passada quarta-feira, neste período, o volume de vendas desta unidade fabril foi de 15,4 mil toneladas, “um valor ainda baixo, mas que reflete a atual fase de arranque da fábrica”.

 

 Projecto da Colombo Energy, a fábrica de pellets da The Navigator Company (ex-Portucel) no Estado norte-americano da Carolina do Sul, já entrou em laboração contínua e "exportará o seu primeiro navio para a Europa durante o quarto trimestre", refere o grupo na apresentação dos resultados do terceiro trimestre.   

 

A empresa liderada por Diogo da Silveira (na foto) anunciou no final do 2014 o investimento de cerca de 110 milhões de dólares (89 milhões de euros) na fábrica de pellets (concentrados de madeira utilizados como combustível), que tem já asseguradas por 10 anos vendas correspondentes a 40% da capacidade da unidade fabril.

 

Segundo refere no comunicado, "prosseguem-se os esforços comerciais tanto no mercado industrial (Europa e eventualmente Japão/Coreia) como no mercado residencial (Europa e Estados Unidos).

 

Nos primeiros nove meses deste ano, o total do investimento realizado pelo grupo foi de 100,6 milhões de euros, dos quais 67,8 milhões na fábrica de pellets nos EUA.

 

Já em Moçambique realizou um investimento em activo fixo de 7,2 milhões de euros e estima um montante de cerca de 5,5 milhões de investimento em activos biológicos.

 

Neste país, a Navigator refere na apresentação dos resultados que a "conjuntura político-económica do país continuou a revelar-se instável, traduzindo-se em restrições de circulação e de segurança dos colaboradores e prestadores de serviços envolvidos no projecto, com prejuízo evidente no ritmo das operações".

 

Ainda assim, sublinha, nos primeiros nove meses deste ano, "os trabalhos de florestação têm vindo a decorrer a bom ritmo tendo sido plantados cerca de 4.400 hectares na Zambézia, suportados essencialmente pela produção de plantas a partir do viveiro florestal do Luá, que até à data, em 2016, disponibilizou já mais de 5,3 milhões de plantas clonais de eucalipto".

 

Paralelamente, refere ainda, foi concluído o primeiro ano do Plano de Desenvolvimento Social que permitiu lançar no terreno várias iniciativas de apoio às famílias e comunidades abrangidas por este projecto.

 

Neste período revela que foi também iniciada uma operação piloto de exportação de aparas de madeira de eucalipto a partir da Zambézia, através do porto de Nacala, "a qual servirá fundamentalmente para aferir sobre os procedimentos legais necessários para licenciar.

bottom of page